Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Turismo quase espacial: Empresa vai proporcionar viagens de balão suborbitais a partir de 2016

Mäyjo, 04.11.13

A empresa norte-americana World View vai proporcionar viagens de balão suborbitais a partir de 2016, uma espécie de turismo quase espacial. Os passeios no Espaço próximo, a 30 km de altitude, foram recentemente aprovados pela US Federal Aviation Administration e custarão cerca de 75 mil dólares.

Os turistas, até um máximo do seis indivíduos, serão transportados, juntamente com os dois pilotos, numa cápsula pressurizada cilíndrica de seis metros de comprimento e três metros de diâmetro suspensa de um parapente que, por sua vez, está suspenso de um balão com 400 mil metros cúbicos de Hélio.

As viagens turísticas durarão cerca de quatro horas, das quais as primeiras hora e meia a duas horas serão passadas a ascender. Quando for atingida a altitude máxima, o balão permanecerá aí durante cerca de duas horas, altura em que os passageiros poderão desfrutar das especulares vistas abaixo, da curvatura da Terra e, acima, do céu negro.

Para iniciar a descida, o parapente solta-se do balão que, com uma capacidade de 400 mil metros cúbicos, será um dos maiores usados em viagens tripuladas. Depois de começar a cair, a cápsula vai ganhando velocidade até que o parapente começa a fazer a sua função, controlando a velocidade da descida até à aterragem.

Assistir ao vídeo promocional das futuras turísticas viagens quase espaciais da World View

Fonteshttp://www.gizmag.com e http://www.worldviewexperience.com/

 

in: Naturlink

Inventor africano constrói impressora 3D com lixo electrónico

Mäyjo, 04.11.13

Inventor africano constrói impressora 3D com lixo electrónico (com FOTOS)

 

Kodjo Afate Gnikou, um engenhoso inventor do Togo, na África Ocidental, construiu uma impressora 3D a partir de peças que recolheu de velhos scanners, computadores, impressoras e outro lixo electrónico. A impressora, que está totalmente funcional, vai custar uma fracção do preço a que estão as concorrentes no mercado, evitando, no processo, que resíduos prejudiciais ao meio ambiente cheguem aos aterros sanitários.

Os equipamentos electrónicos descartados são uma das fontes de resíduos que mais depressa cresce no mundo, mediante a rapidez com que os consumidores substituem os seus dispositivos – como pode ver por este cenário, no Gana. No entanto, em vez de deixar o lixo electrónico acumular-se em sucatas ou aterros, Gnikou decidiu utilizar esse material para criar uma impressora 3D barata e artesanal.

O inventor tem grandes planos para o seu projecto de reciclagem. De acordo com a sua página de crowdfunding, está mesmo a trabalhar com a FacLab-France, no âmbito do projecto WAFATE to Mars, para fazer máquinas recicladas, a partir de lixo electrónico, capazes de serem usadas em missões espaciais em Marte.

A impressora 3D é feita principalmente de materiais obtidos numa sucata na cidade de Lomé, embora Gnikou se tenha visto obrigado a comprar algumas peças. O custo total da máquina rondará os €74 (R$ 218), o que é uma autêntica pechincha considerando os actuais modelos no mercado que atinge os milhares de dólares.

Segundo o Inhabitat, Gnikou ambiciona “colocar a tecnologia em mãos carentes e dar a África a oportunidade de não ser apenas um espectador mas jogar o primeiro papel numa revolução industrial mais virtuosa”.

 

in: Green Savers